A cobertura do bolo

A revisão é o processo final por que passa um texto antes de ser publicado, de forma impressa ou online. Engloba o trabalho de checagem ortográfica, gramatical e de coerência de linguagem, mas a tarefa vai além de identificar e corrigir erros de português, digitação e uso adequado de pontuação. É papel da revisão também verificar o sentido e o significado de palavras, frases e até de parágrafos inteiros e, em muitos casos, fazer ou sugerir alterações que tornem a escrita mais fluida e o texto mais agradável para quem lê.

A revisão é uma etapa tão importante na edição de um texto quanto sua produção ou tradução. É por meio dela que vai ser possível assegurar a qualidade de um conteúdo e valorizar a ideia do autor ou o trabalho do tradutor.

Mas, como a tradução, a revisão também costuma ser negligenciada ou delegada a amadores que circulam pelo mercado editorial, de conteúdo de mídias, redações, agências de publicidade e de tradução.

Isso acontece principalmente porque, da mesma forma como não se exige diploma específico para exercer a profissão de tradutor, para ser revisor de texto também não existe exigência de certificado especial, muito embora, ultimamente, os dois mercados, tanto o da tradução como o da revisão, estejam cada vez mais cobrando a profissionalização dessas funções.

Características e formação de um bom revisor

Primeiro de tudo, o revisor de textos tem que ser um apaixonado pela linguagem, um perfeccionista incorrigível, detalhista obsessivo e leitor incansável. Em geral, bons revisores são pessoas que gostam muito de ler, escrever e estudar. Têm imensa curiosidade por idiomas, se encantam pesquisando a origem das palavras, estudando os usos gramaticais e se perdem no mundo da escrita e da leitura ao mergulhar em textos de diferentes estilos e autores.

Com isso, tornam-se profissionais da leitura e, com olhos de águia, não deixam passar nada. Vivem assim permanentemente! Mesmo quando não estão trabalhando são reféns do ofício e, quando se dão conta, já estão lá a observar a uniformidade do texto, a virgulação e, os considerados “iniciados”, avaliam até a escolha da fonte, a cor do papel e a diagramação de um livro, por exemplo. Afinal, o segredo do sucesso da profissão está na atenção a diversos tipos de detalhes.

Além do perfil de personalidade, a formação dos revisores costuma ser em Letras, Tradução, Jornalismo ou outras carreiras da área de Humanas que trabalhem a língua e o texto, embora atualmente já existam cursos especializados em revisão de texto, oferecidos como pós-graduações, extensões universitárias ou mesmo como cursos livres e profissionalizantes.

Tipos de revisão

Existem vários tipos de revisão de textos direcionados de acordo com o produto a ser revisado: contratos, documentos, folders publicitários, sites, blogs, relatórios, livros, manuais, trabalhos universitários e até menus de restaurantes.

Cada produto requer um revisor de texto especializado. Os artigos acadêmicos, por exemplo, exigem que o revisor tenha experiência com a linguagem usada no meio acadêmico. Já para a revisão de um manual de aparelhos do setor alimentício vai ser preciso contratar um revisor de textos técnico.

Os textos traduzidos também precisam de revisão e os revisores devem ser tradutores experientes e capacitados para garantir sentido e significado aos conteúdos. Uma empresa que investe na contratação de uma agência de tradução profissional, como a Universo, para elaborar a tradução de seus documentos empresariais, não pode relaxar no profissionalismo quando for buscar um revisor de texto.

Uma revisão malfeita ou a opção de não contratar a revisão de textos para não gastar mais são situações que podem colocar todo um conteúdo a perder e, no meio comercial, podem significar prejuízo e até risco de fracasso em grandes negócios.

Depois de muitas releituras, ajustes, interferências e correções, os olhos do autor/produtor mais experiente, pela proximidade com o texto e familiaridade com o assunto, podem não enxergar erros desde os mais simples, como troca de letras na digitação de palavras, até os mais complexos, como de concordância verbal ou uma crase errada, que, certamente vão comprometer a qualidade do produto final.

Dicas para aprimorar a busca irracional pelo perfeccionismo

Agora que você já saber do valor da revisão de textos, vamos te falar sobre técnicas usadas entre revisores de textos para driblar as armadilhas que o cérebro apresenta e que podem ajudar não só a quem revisa textos, como também aos que escrevem e traduzem.

  1. Molho: terminou de escrever, traduzir ou revisar, esqueça o texto pelo tempo que o seu prazo permitir. Deixe seu cérebro descansar, faça outras atividades e você vai olhar o texto de forma mais crítica quando voltar a ele.
  2. Aumente a fonte: o cérebro tende a pular palavras para acelerar a leitura, principalmente quando estamos lendo um texto que nós mesmo escrevemos ou traduzimos. Aumentar a fonte faz com que menos palavras sejam vistas por vez na tela, o que vai dificultar que sua mente queira pegar atalhos.
  3. Leia em voz alta: ler o texto em voz alta possibilita a identificação de erros de português e incongruências da narrativa que podem ter passado despercebidos na leitura silenciosa.
  4. Confie desconfiando dos corretores ortográficos automáticos e softwares de revisão textual: as máquinas, ferramentas e softwares devem sempre ser usados e adaptados em favor do revisor, tradutor ou escritor. Mas não se pode confiar totalmente nelas justamente porque são máquinas e, como as ferramentas de tradução automáticas, interpretam as palavras isoladamente de contextos, além de não “conhecerem” todas as palavras. É claro que é válido estar atento às palavras sublinhadas indicando erro e sugerindo sugestões. Pode acontecer de serem realmente erros que escaparam de seu “radar”.

   Tecnologia a favor da revisão de textos

Atualmente, os profissionais de texto precisam estar constantemente atualizados com relação aos últimos lançamentos tecnológicos para o mercado.

Quem trabalha com revisão de textos sabe que, depois de horas diante da tela do computador, os olhos de águia sentem o peso do cansaço e passam a não ver o que o revisor de textos precisa ver em um texto durante seu trabalho.

Para esses momentos, a tecnologia oferece os softwares de apoio à revisão de textos, que prometem fazer a verificação ortográfica e gramatical sem deixar passar nada. O revisor do Word e o Xbench são os mais usados.

O Diff Checker é um verificador de textos que disponibiliza que a primeira versão de um texto seja colocada de um lado na tela do computador e, no outro, a versão final e, assim, o profissional possa fazer, com mais facilidade até pela visualização dos dois textos,  sua checagem do que foi alterado e do que ainda pode ser mudado.

Revisor do bem

Para encerrar, não se pode deixar de falar da fama de mau que o revisor de textos carrega, principalmente no mercado editorial, em função da postura profissional de certos “profissionais”. A rejeição que certos autores têm de alguns tipos de revisores é clássica e já virou até piada em texto do escritor gaúcho Luís Fernando Veríssimo.

Por que isso acontece? Acontece porque, entre todas as características que um bom revisor deve ter, nem todos têm a sensibilidade e o respeito para entender aquela linha tênue entre interferir ou não em um texto e interferir para melhorar e não para alterar o argumento de quem escreve o texto, ou seja, o famoso “trocar seis por meia dúzia”.

O que precisa ficar claro é que ser revisor não é ser autor e a boa revisão, como a boa tradução, é a invisível: aquela que, aplicada na medida e na dosagem certas, nem sequer é notada pelos leitores!