Nada no mundo é estático. Da mesma forma que a natureza, a cultura e a política mudam, o mesmo acontece com as linguagens faladas ao redor do mundo. Na verdade, pode-se considerar que elas são as primeiras na maioria dos ciclos de mudança humanos. É partir do idioma que se constroem diferentes hábitos e identidades culturais.

Por isso há um ramo de estudo totalmente dedicado aos idiomas: a Linguística. Ele analisa tudo que já foi e ainda é falado. Não é um campo muito popular, mas atua com base em muita coisa ao nosso redor!

Por exemplo, as gírias e expressões que dizemos todos os dias não surgiram do nada. Elas podem ter vindo de uma cultura estrangeira (é o caso de várias palavras inglesas que nós “abrasileiramos”) ou da evolução de idiomas nativos. A Linguística descobre e aponta os caminhos que a humanidade está tomando na linguagem.

É através desses estudos que conseguimos entender um pouco mais sobre a evolução dos idiomas. Deles e da História como a conhecemos, é claro.

 

Língua-mãe?

 

Os pesquisadores estão sempre tentando descobrir se todas línguas podem ter surgido de uma só “língua-mãe” e, acredite ou não, essa é uma possibilidade real.

 Atualmente, estima-se que metade da população mundial tem como língua nativa algo que faça parte da família indo-europeu. Até mesmo o português e o hindi possuem parentescos — aliás, até mesmo o português e o sânscrito! É realmente difícil imaginar que tantas línguas sejam da mesma família sem que exista uma matriarca em algum lugar do passado.

Contudo, essa ainda não é uma conclusão dada por certa. A maioria dos estudiosos concorda que existem dezenas de famílias linguísticas e que suas árvores genealógicas não se misturam. A origem de alguns idiomas são tão difíceis de identificar que eles parecem sequer ter qualquer parentesco. O japonês é um deles, ainda que tenha sofrido influências de outros povos ao longo dos anos.

 

Expansão dos idiomas

 

Indo além das teorias dos linguistas, não podemos deixar de mencionar o curso da História como decisiva para a evolução dos idiomas. Os processos de colonização definiram os rumos de milhares de populações, e não só dos colonizados! Línguas nativas também possuíram força e influenciaram o entendimento daqueles que chegavam em novas terras. Por isso nós falamos português, mas ainda temos muitas palavras e nomes com origem nativa aqui no Brasil.

Há também inúmeros outros exemplos ao redor do planeta. Na Europa, a França e a Inglaterra possuem um histórico de desentendimentos que alteraram o rumo de seus respectivos idiomas. Se não fosse por isso, o inglês talvez não fosse uma das línguas mais faladas no mundo, e sim o francês!

Seja pela expansão territorial ou cultural, o modo em que nos comunicamos está em constante evolução. Pode parecer devagar, mas imagine quantas expressões de 50 anos atrás já não são mais faladas, e quantas novas surgiram no lugar? Esse é o princípio para entender a evolução dos idiomas.

Se você precisa se comunicar em outros idiomas, não se preocupe, não é necessário aprender toda essa evolução de repente. Você pode contar com a Universo Traduções, que tem mais de 15 línguas disponíveis para seus materiais.